quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A PERSUASÃO!



Persuasão ou convencimento são sinônimos de convicção. As pessoas que são persuadidas num assunto qualquer, começam a demonstrar convicção de que aquela causa abraçada é correta e verdadeira. Vemos isso em diversos lugares. Pessoas que são fanáticas torcedoras por um time de futebol, por exemplo. Muitas acabam matando ou morrendo em nome de seu time do coração. Felizmente, aqui onde moramos, não temos que tratar com situações ou pessoas dessa natureza. Todavia, isso é muito comum nas capitais brasileiras ou nas cidades onde há estádios e grandes times de futebol. Quando o campeonato está muito competitivo, as chances de encontrarmos problemas envolvendo torcedores é grande.
Esse amor literal por um time de futebol, geralmente é introduzido na mente do torcedor por alguém. Isso, às vezes vem desde a infância. O responsável pode ser o pai, ou algum outro familiar, que torce ou torcia pelo mesmo time. Torcer é bom, mas é preciso observar as regras e os limites. Estes limites devem existir em forma de educação, sabedoria e compreensão do que é ganhar e perder. Uma vez que nenhum time só ganha, não vale a pena se matar ou matar alguém quando seu time perde.
Outro lugar onde a persuasão está presente, é dentro dos partidos políticos. Acontece algo parecido com o exemplo dos torcedores de futebol. As pessoas ficam meio que atordoadas. Quando tem eleições fica tudo mais evidente. Tamanho chega a ser o fanatismo pela causa. Fulanos que antes eram amigos, de repente ficam inimigos. Vizinhos ficam contra vizinhos. Por um tempo, não se falam, mal se cumprimentam. Famílias ficam divididas por causa de uma sigla. Nem é por causa de um ideal, pois ideal político não existe mais. Atualmente, todos os partidos políticos têm características semelhantes. Concordo que ao abraçarmos uma causa, devemos seguir as regras da mesma. Mas todo sacrifício deve ter um limite.
Encontramos persuasão também dentro das igrejas e religiões. Este tipo de convencimento é um dos piores, pois às vezes, bitola ou limita o desenvolvimento das pessoas por longos anos. Eu mesmo, já fui um “alienado” seguidor de uma bandeira religiosa. Escrevo estas palavras, sem medo de ofender nenhuma denominação eclesiástica. Sei meus limites e sei até onde posso expor meus pensamentos sem insultar ninguém.
Mesmo assim, gostaria de expor algumas considerações baseadas no que aprendi sobre o assunto. Quem lê e questiona o contexto pode perceber que todas as religiões mudam constantemente e se adequam conforme as modas contemporâneas. Na igreja católica, por exemplo: Por longos anos, as missas eram rezadas com o padre de costas para as pessoas.  As músicas eram caracterizadas como hinos e não como MPB, Rock ou outros ritmos da moda. Nas igrejas protestantes e evangélicas era a mesma coisa. Em tempos não muito distantes, era explicitamente proibido um crente assistir ou possuir um aparelho de TV. Isso seria um pecado mui grande. O diabo era o pai da televisão. Hoje todas estas igrejas que condenavam o uso da TV, praticamente possuem programas em canais abertos. Todos os membros são incentivados a assistir e propagarem seus programas na televisão.
A persuasão, convencimento, alienação é algo a ponderarmos constantemente. Vivemos por nosso conhecimento? Estudamos e racionalizamos ou vivemos pelo que alguém nos empurrou, num determinado momento da vida? Estamos convictos realmente de que nosso time do coração é de fato a melhor opção para torcermos? Nosso partido político nos faz diferentes dos demais partidos existentes?  Nossa religião é de fato, uma boa opção para crescermos em conhecimento, sabedoria e progresso pessoal? Estamos aprendendo algo com nossas escolhas a que fomos persuadidos um dia? Se a resposta for afirmativa, meus parabéns. Caso contrário, aconselho a rever seus conceitos e a ser mais crítico.
A capacidade de racionalização, de criticar, de construir, de apresentar propostas, mostrar caminhos melhores, é o que nos diferenciará dos demais persuadidos, convencidos e alienados. 

Um comentário:

  1. André Ricardo Popinhak29 de novembro de 2012 00:10

    Concordo plenamente. Devemos ser racionais sempre. Seguir dogmas e praticar rituais sem nenhuma análise racional é imbecilidade e imaturidade. Através da doutrinação as religiões controlam as pessoas, tornando-as uma massa impensante. Mas ainda acho q não devemos refutar tudo, isso também eh imaturidade, devemos estudar e analisar tudo usando o discernimento e a razão.

    ResponderExcluir